Educação Imersiva


O conceito de imersão em educação existe há muito tempo. Um exemplo são os cursos imersivos de línguas, em que os alunos viajam para outro país e aprendem uma nova língua imersos no cotidiano de outra cultura, aprendendo da mesma forma que os nativos fizeram. Outro exemplo seria levar estudantes de engenharia para conhecer uma usina hidrelétrica por dentro. Nem sempre, no entanto, esse tipo de imersão é viável. Para viabilizar metodologias pedagógicas é que existem as tecnologias de mídia. Para cada metodologia existem diferentes posisbilidades de mídia, umas mais adequadas, outras mais baratas, devendo-se encontrar aquela que atenda aos requisitos da atividade pedagógica com a melhor relação custo-benefício.  

A tecnologia de realidade virtual é a que melhor consegue subtituir a experiência de imersão do mundo real. Muitas vezes a opção real não existe, possui custos altíssimos ou é perigosa (viagem a outro planeta, visita a um vulcão em erupção, conhecer um acelerador de partículas, imersão em mundos imaginários etc.). Dessa forma a realidade virtual, e outras mídias imersivas, como a realidade aumentada e os videos 360 graus, que hoje se popularizaram e são acessíveis, se constituem em ótima opção para se implementar métodos imersivos de ensino.

Conhecer e dominar as tecnologias imersivas é um diferencial improtante para professores, designers educacionais e todos os intersesados em tecnologia e educação.

Assista à palestra "Educação Imersiva" que o Prof Romero Tori apresentou no CIET:EnPED 2018.  


Comentários