sábado, 18 de julho de 2015

As Gerações Interativas e o Futuro da Escola


Imagem: detalhe da capa do livro "Gerações Interativas Brasil", da Fundação Telefônica.

Neste post apresento algumas referências relacionadas à oficina de mesmo título desenvolvida no Sesc Belenzinho, São Paulo, no dia 18 de julho de 2015.


Foi uma tarde de sábado muito produtiva, discutindo o futuro da Escola, com participação de representantes das gerações X, Y e Z !  

Debatedores: Lucas ( e seu  inseparável tablet ), sua mãe Andréa Zotovici, Bruna, Adriana Nogueira, Marina, Bruno Santos, Carlos Eduardo, Ana e Stella Pupo.

Posts deste blog sobre Gerações

"As gerações interativas já estão mudando as escolas..."

"Se a Escola não mudar as gerações interativas a mudarão ..."

"Jovens para Sempre"

"ConflYtos da Geraç@o I "


Aprendizagem Ativa

Post do Prof Ricardo Gudwin da Unicamp

Site do Prof Eric Mazur


Livros




Educação sem Distância
Romero Tori

Livro completo gratuito para download
















Gerações Interativas Brasil
Fundação Telefônica
Escola do Futuro - USP

Livro completo gratuito para download















Volta ao Mundo em 13 Escolas
Fundação Telefônica

Livro completo gratuito para download

















Why We Do What We Do
Edward Decci
Richard Flaste

À venda na Amazon

segunda-feira, 6 de julho de 2015

A voz ( ou "Ela")




imagem divulgação:  Annapurna Pictures 


Ontem, ao usar meu aplicativo GPS preferido, fui surpreendido por uma nova voz. Sem qualquer aviso prévio. Sem despedida. A voz que me acompanhava há meses se foi. Assim, sem mais nem menos, uma estranha estava me dizendo o que eu deveria fazer, por onde deveria ir... Passado o choque inicial percebi que aquela voz me causava antipatia. Não. Não era uma reação instintiva por ela ter usurpado o posto da robótica voz anterior. Havia, de fato, algo que me incomodava em sua fala. Comecei a prestar atenção. Percebi que sua pronúncia era perfeita..muito melhor que a minha guia anterior, a qual falava picotando as palavras, trocando proparoxítonas por oxítonas, acentos tônicos por abertos, ou vice-versa, e fazia pronúncias hilárias. Mas por que então a empatia era maior pela trôpega e robótica voz anterior? Após vários "vire a direita", "vire a esquerda" e algumas "rotatórias" (e não "rotatorías" como a outra dizia) encontrei o que tanto me irritava: a entonação !

Uma simples questão prosódica ! Sabe aqueles avisos feitos por funcionários pelo sistema de som de lojas ou mercados do tipo " Sr tal favor compareceeeer ao setor de alimeeeeenntooos .... " ? com uma entonação que, não sei por que motivo, só aparece nessa mídia ? Ninguém fala assim normalmente.  Parece que há um virus nos microfones de lojas que contaminam a entonação da voz de quem o utiliza. Provavelmente foi usado um desses microfones pela locutora contratada para dar um "up" na interface do aplicativo. investiram bastante nessa "melhoria" e conseguiram, como resultado, irritar muuuito este usuário que vos escreve. Seria apenas uma birra minha ? Não. Todos que me acompanhava no carro manifestaram a mesma irritação.

Como meu instinto investigativo não tira folga aos finais de semana fui levantando hipóteses... e acho que encontrei uma razoável: "Uncanny Valley" ! Sim, aquele fenômeno observado por pesquisadores da área de robótica em que as pessoas sentem empatia crescente por um robô à medida que esse mais se aproxime de aparência e comportamento humanos, mas até um ponto em que se aproxima tanto que... começa a causar aversão! Motivo provável: ao parecer muito com um ser humano, porém com algumas pequenas imperfeições, não condizentes com o comportamento humano, dispara-se algum mecanismo de defesa presente em nosso código genético. Para sair do Uncanny Valley só há duas maneiras: reduzir a qualidade da antropomorfização, deixando claro se tratar de um ente não humano, ou aperfeiçoá-lo a ponto de ser quase indiferenciável de uma pessoa de verdade.

Pelo jeito esse fenômeno ocorre também com interfaces de voz.. vivendo e aprendendo... saudades da voz robótica...