domingo, 19 de junho de 2011

Realidade Aumentada para uma Educação sem Distância

Na atividade da JOVAED 2011 cujo nome aparece no título deste post conceituamos Realidade Aumentada e procuramos mostrar o potencial da aplicação dessa tecnologia na área educacional. A participação dos presnetes foi muito enriquecedora.

Se você ficou curioso ou deseja rever a atividade acesse o link da gravação

Para ver os vídeos e materiais citados durante a apresentação (e muito mais) acesse este meu outro post.

Agora minhas respostas a algumas perguntas que ficaram "no ar" (ou melhor,  no chat).

DÚVIDAS E RESPOSTAS


1. Alvaro: Cconhece o Dart, que roda no Director ?
Sim. Trata-se de uma adaptação, limitada,  do AR Toolkit para o Director. Há também uma adaptação do NyARToolkit para o Flash que é bem interessante.


2. Carmen:  A  impressão do código deve ser sempre em preto e branco ou pode ser colorida ? 
No AR Toolkit recomenda-se que seja em PB, para maior contraste. Mas, a princípio, os marcadores podem ser coloridos. Recomenda-se testar bem antes, em diferentes condições de iluminação.


3.Exemplos de jogos com RA ?
Mostrei alguns durante a apresentação (Human Pacman, AR Quake..), os quais podem ser vistos em meu outro post
No livro "Extended Experiences", meus colegas pesquisadores e eu escrevemos um capítulo especificamente sobre Games em RA. Esse livro, publicado na Finlândia, encontra-se disponível na íntegra no Google Livros (clique no nome do livro no início da resposta para acessá-lo).

Educação SEM Distância

Acabamos de realizar a atividade "Educação sem Distância" na JOVAED 2011. Foi muito motivador participar de um encontro com tantas pessoas que se dispuseram a ouvir e discutir sobre tecnologias interativas na redução de distâncias em educação, em um lindo domingo de final de semestre. Contamos com participantes de vários pontos do Brasil e até de Portugal.

Na apresentação, baseada no livro de minha autoria "Educação sem Distância", destaquei o conceito de INTERATIVIDADE, a chave para a redução de distâncias, seja em atividades remotas ou presenciais. Foi também ressaltada a importância do conceito de Blended Learning, que integra atividades virtuais e presenciais, característica que deverá estar cada vez mais presente em atividades educacionais, perdendo-se aos poucos o sentido de se separar as modalidades, uma vez que a busca sempre deve ser por uma Educação SEM Distância, ou, simpelsmnente, EDUCAÇÂO.

Veja (ou reveja) o que aconteceu nesse encontro acessando o link da gravação.

Conforme prometido responderei aqui a algumas perguntas que ficaram em aberto. E você, leitor, fique a vontade para colocar outras perguntas (ou outras RESPOSTAS!) no espaço de comentários deste blog.

DÚVIDAS E RESPOSTAS

1. MELISSA: Conhece e/ou já usou o Big Blue Button ?
Sim! O Big Blue Button é um ambiente de webconferência com recursos similares ao Adobe Connect (utilizado nesta atividade). A grande vantagem é que se trata de um sistema ABERTO e FREE!. Já ministrei palestra nesse ambiente e funcionou perfeitamente.


2. FERNANDO GODOY: Se este termo (EAD) não é adequado, qual um outro que seria, pois ao dizer somente Educação Sem Distancia, não vai passar a ideia do modelo (não presencial) que estaria sendo usado? 
A idéia, Fernando, é justamente essa (não haver necessidade de se optar a priori por um MODELO, presencial ou a distância). O conceito de ESD foca na redução das distâncias, não importando onde os alunos e  professores se localizem geograficamente.  O percentual de atividades remotas ou presenciais poderá variar de acordo com as características de cada curso. E esse percentual, obviamente, será do conhecimento do aluno antes de se decidir por cursá-lo. Mas o importante é que  as tecnologais interativas, associadas a metodologias pedagógicas, podem ser aplicadas na redução de distâncias em todas as possibilidades de relações de distanciamento (as quais,como mostrado na palestra, são pelo menos 512 e não apenas duas: presencial ou a distância) .


3. FERNANDO GODOY: Existe algum repositório mundial para jogos educacionais ?
Existem vários. Vou citar um a título de exemplo: o FUN BRAIN.


4. SILVIA GOMES: Os jogos estimulam respostas rápidas, isso não acaba comprometendo a possibilidade de refletir sobre o fato dentro de várias outras facetas?
Nem todos os jogos estimulam respostas rápidas. Basta citar, por exemplo, o jogo de Xadrez.
Cabe ao designer instrucional especificar para o designer de games o estilo e características do jogo, bem como os estímulos que deve provocar, de acordo com as necessidades e objetivos pedagógicos.





sábado, 18 de junho de 2011

Gestos e Interfaces Naturais para uma Educação sem Distância

Aconteceu em 17 de junho de 2011, das 21h às 22:30, na JOVAED a atividade síncrona

"O Potencial das Interfaces Naturais para uma Educação sem Distância"

com palestra proferida pelo Prof Dr João Luiz Bernardes Jr, recém-doutor pela Escola Politécnica da USP com a tese "Modelo abrangente e reconhecimento de gestos com as mãos livres para ambientes 3D". Aliás, esse trabalho foi  tema de recente reportagem da Revista Galileu, sob o título "Nosso Kinect".

Foi um encontro muito agradável, com participação intensa dos presentes. Se você desejar ver (ou rever) o que aconteceu durante a atividade, desenvolvida com a ajuda do ambiente de webconferência Adobe Connect, gentilmente cedido pelo Centro Universitário Senac de São Paulo,  assista à gravação. Repare que não se trata de um vídeo mas do registro de todas as interações desenvolvidas com a ferramenta. É possível inclusive rolar as janelas de participantes e de bate-papo enquanto se assiste à gravação, como se estivéssemos ao vivo.

As interfaces naturais, que dispensam  o uso de dispositivos para a interação humano-computador, são a mais nova tendência na área de jogos e, em breve, deverão chegar às aplicações “sérias”. Dentre essas, a educação é uma potencial beneficiária dessa tecnologia que propiciará uma maior redução de distâncias na interação do aluno com os ambientes de aprendizagem. Nessa palestra foram apresentados conceitos e tecnologias relacionados às interfaces naturais e algumas das últimas pesquisas em reconhecimento de gestos, nas quais o corpo é a interface. Foram também apresentadas ferramentas de código aberto já disponíveis para o desenvolvimento de aplicações baseadas em interfaces naturais. Como moderador da atividade ressaltei o fato de que as interfaces baseadas em gestos são uma das tecnologias chave para a educação apontadas pela Horizon Report 2011.

Como o assunto despertou muito interesse eu e o João nos comprometemos a responder neste blog às perguntas que ficaram em aberto. Caso você tenha outras dúvidas, ou comentários, fique a vontade para colocá-las aqui neste blog.

DÚVIDAS E RESPOSTAS


Aí vão as respostas ou complementações do Prof João Luiz Bernardes Jr às dúvidas dos participantes que não puderam ser colocadas durante o evento.


1) Como foi feito o ambiente em que o pesquisador do Interlab era inserido como vídeo-avatar ?
JLBJ: O Ambiente foi modelado no software gratuito e aberto Blender e o vídeo-avatar foi inserido usando o sistema que desenvolvemos no Interlab/USP e que envolveu o mestrado do Daniel Makoto Tokunaga (pesquisador que aparece na imagem).



2) Há uma possível relação entre gestos e objetos de aprendizagem ?

JLBJ: Que eu saiba, Objetos de Aprendizagem são uma forma de classificar/indexar/organizar e armazenar conteúdo educativo, visando principalmente facilitar o seu reuso. Na palestra falamos bastante do uso de gestos como interação, o que por si só não é um conteúdo e não encaixaria como um objeto de aprendizagem.  Algum aplicativo educativo (como um laboratório virtual por exemplo) que use gestos, isto sim poderia virar um objeto de aprendizagem, mas essa relação entre os dois conceitos não necessariamente
existe. Vídeos mostrando gestos (seja em vídeo-conferência ou com realidade aumentada) ou objetos que permitissem a síntese de gestos por avatares em ambientes 3D, ou contendo transcrições de gestos para síntese, também poderiam virar objetos de aprendizagem, imagino.

3) Poderia dar exemplos de computação ubíqua ?

JLBJ: Recomendo começar dando uma olhada na página da Wikipedia sobre o assunto, que tem links para diversos centros de pesquisa e pesquisas na área.


Por enquanto é isso, caro(a) leitor(a).

Espero encontrá-lo nas atividades que desenvolveremos domingo, dia 19/6:

"Educação sem Distância" (14h) e "Realidade Aumentada" (15h).