terça-feira, 31 de agosto de 2010

Começa o 16o. Congresso Internacional de EAD



Começou hoje, aqui em Foz do Iguaçú, o 16o. CIAED (Congresso Internacional ABED de Educação a Distância). O Mabu Resort já está movimentado. Trabalhadores das empresas de montagem dão os últimos retoques nos estandes para a inauguração da exposição, que se dará logo após a cerimônia de abertura (com início às 18:30). Dica: a cerimônia de abertura é aberta aos interessados, não havendo necessidade de crachá.
A exposição não é muito grande, mas ocupa consideráveis 2 mil m2 e conta com a presença de grandes atores da EAD. Veja a planta da exposição e a lista dos partiicpantes.
A principal atividade de hoje são os minicursos. Muitos, por sinal, e um mais interessante que o outro. Difícil escolher.

Ao me credenciar fiquei feliz em receber um vale para retirada de dois importantes livros: o recém lançado "Aprendizagem a Distância" do Prof Fredric Litto, presidente da ABED, e o CensoEAD.BR, publicado pela ABED e FGV.

Minha programação para amanhã dia 1/9, terça-feira:

8h00 Assistir as imperdíveis palestras de Vijay Kumar do MIT (Abertura para mudança educacional),  John Ebersole do Excelsior College (Abordagens não convencionais), Josep Maria Duart da Universitat Oberta de Catalunya (Novos modelos educativos em e-learning) e Carlos Eduardo Bielschowsky da SEED/MEC (Uma Análise do Sistema de EAD no Brasil).
obs: além de poder aprender muito ouvindo essas personalidades, ainda concorrerei ao sorteio de um netbook, oferecido aos participantes da sessão das 8h ;-)  se ganhar prometo agilizar as postagens em meu blog; o meu surrado notebook com bateria arriada não está ajudando muito ;-(

10h40 Participar dos lançamentos de livros e conseguir meu autógrafo no livro do Prof Litto, "Aprendizagem a Distância" (tarefa não muito fácil mas vale a tentativa), na sala Brasil (onde serão lançados ainda os livros “Tecnologias que Educam”, de Fabio Camara e Gregório Ivanoff , e   “Práticas Pedagógicas Aprendizagem e Avaliação em EAD”, de minha amiga e destacada pesquisadora de EAD, Iolanda Cortelazzo).

11h10  Assistir a apresentações de trabalhos científicos. Será uma maratona, com 5 sessões em paralelo. Amanhã eu comento sobre os trabalhos que eu conseguir assistir.

14h30 Encontro de Design Instrucional, com Lina Romizowski, Regis Tractenberg,  Paula Carolei  e Vani Kenski , que també coordenará a mesa. Na sala Assunção. Lamentavelmente esta mesa ficou em paralelo com outra que eu gostaria de assistir, Diálogo com SEED / MEC, com Carlos Eduardo Bielschowsky e Hélio Chaves  :-(

15h30 Aprendizagem em redes e as TICs, com Jucimara Roesler da UNISUL;   Vani Moreira Kenski da Diretoria ABED,  Patrícia Lupion Torres da PUC PR , e  coordenação de Artieres Estevão Romeiro do Claretiano.  Na sala Assunção.

16h30 Lançamento do meu livro, na sala Brasil, na companhia de duas importantes obras, que muito valorizam esta sessão: “20% a Distância – e agora?", de Rita Maria Lino Tarcia e Alda Luiza Carlini, e “Educação OnLine”, de Marcos Silva, Lucila Pesce e Antonio Zuin.


17h00  Assistir a apresentações de trabalhos científicos.

Ufa !

Amanhã eu conto como foi.

Abs.

domingo, 29 de agosto de 2010

Cataratas do Iguaçu: Emoção sem Distância

Veja mais fotos em minha página no Facebook.

Como todos (ou quase) os diretamente envolvidos com a área de Educação a Distância já sabem, o 16º CIAED - Congresso Internacional ABED de Educação a Distância ocorrerá de 31 de agosto a 3 de setembro de 2010 em Foz do Iguaçu, PR. Acredito que muitos dos participantes do 16º CIAED planejam, antes ou depois do evento, conhecer (ou rever) as impressionantes Cataratas, patrimônio natural da humanidade e, sem dúvida, uma das maravilhas da natureza. Por precisar estar em Belo Horizonte no dia 3 de setembro à noite, para participar, com muito prazer, de uma mesa redonda no Festival de Arte Digital (FAD), não me restou outra opção senão vir um final de semana antes para reviver essa emoção, sem distância claro (e com direito a ficar agradavelmente encharcado). Passo aqui então um pouco dessa experiência para os amigos sem distância deste blog, alguns dos quais devem participar do CIAED e poderão já ir se preparando para viver ou reviver essa aventura emocionante.

O domingo, 29 de agosto, foi muito intenso. Começou com um café reforçado no Clube de Golfe (Iguassu Resort) onde estou hospedado. Não entendo nada de golfe, mas os golfistas certamente entendem muito de tranquilidade, natureza e conforto. Dormir ao lado de um laguinho, ouvindo apenas grilos e gansos é deslumbrante para quem reside próximo a uma grande avenida de São Paulo. 



Do café, eu e minha esposa partimos direto para o Parque Nacional do Iguaçú onde ficam as famosas cataratas (e muitas outras atrações). O Parque passou por uma reforma desde a última vez que o visitei, que o deixou muito melhor (infelizmente muuuito mais caro também....). Agora os carros não entram mais na área do parque. Ônibus turísticos circulam pelas atrações transportando os visitantes que pagaram a entrada de R$ 22,00 (brasileiros), R$ 37,00 (estrangeiros) ou R$7,00 (comunidades da região). 

Descemos já no primeiro ponto (Macuco Safari). Apenas nós. Todos os demais passageiros preferiram ir primeiro fazer a trilha das cataratas (ou não pretendiam fazer o passeio do Macuco Safarim, o que seria compreensível, dado o exorbitante preço de R$ 140,00 por pessoa, próximo ao preço do passeio de helicóptero, que custa R$ 180,00). Mas como quem vem ao parque tem que se molhar (literalmente), demos de ombros e acionamos nosso limite do cheque especial (além de tudo eles não aceitam cartão de crédito, inacreditavelmente; se você pretende fazer esse passeio recomendo comprá-lo antes em uma agência de turismo, que além de aceitar cartão de crédito dá desconto e ainda parcela ;-). 

 










Essa decisão, de começar pelo Macuco Safari mostrou-se acertada. Não pegamos fila, conseguimos ótimos lugares no "trenzinho" e no bote, e fizemos a trilha das cataratas no contra-fluxo, usufruindo-a até o último minuto, sem preocupação de voltar a tempo de fazer o Macuco Safari. Voltamos num dos últimos ônibus, na companhia de funcionários que já haviam encerrado o expediente e alguns poucos turistas desgarrados como nós.

Na trilha ecológica do Macuco Safari vemos uma flora exuberante e algumas curiosidades como a planta de onde se extrai (ou extraía, pois a espécie está quase extinta) o palmito de melhor qualidade (palmito doce ou 
juçara).
 










Depois de percorrer 3 Km em um "trenzinho" elétrico fizemos uam trilha de 600 m a pé, pela qual passamos pelo Rio Macuco e encontramos uma bela cachoeira. Descobrimos com nossa simpática guia que macuco é o nome de um pássaro que vive nas florestas brasileiras e bota um ovo azul.

 
O mais emocionante mesmo desse passeio é a sua parte final. Percorre-se o Rio Iguaçú em um bote inflável até próximo à Garganta do Diabo, passando por baixo de quedas d'água e retornando ensopados e felizes (até cheguei a esquecer que meu saldo havia ficado negativo ;-).  










Veja mais fotos em minha página no Facebook.


quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Emoções eletrônicas na Paulista

No último final de semana consegui finalmente visitar duas importantes exposições na Avenida Paulista: FILE (Festival Internacional de Lingaugem Eletrônica) e  Emoção Art.Ficial (Bienal de Arte e Tecnologia do Itaú Cultural,). Ambas as mostras já são tradicionais no circuito cultural paulistano e imperdíveis para os amantes da arte e da tecnologia. Neste ano temos ainda a vantagem de poder visitar as duas no mesmo dia (encontram-se a poucos quarteirões de distância). Se você ainda não foi recomendo encontrar um espaço na agenda nesses próximso dias.

Comento a seguir algumas das obras.



FILE (Festival Internacional de Lingaugem Eletrônica):
27 de julho a 29 de agosto de 2010
Centro Cultural do Sesi - Avenida Paulista 1313
=================================
O FILE, que apesar de se tratar de uma sigla em português é comumente referenciado com a pronúncia em inglês, é aberto a qualquer manifestação de linguagem eletrônica. Até mesmo um livro em formato tradicional impresso teve espaço na exposição. "Onde estaria a linguagem eletrônica neste caso?" você pode estar se perguntando.  A resposta está na forma como o livro foi criado: por um algoritmo computacional. Ao lado desse livro chama a atenção um vídeo produzido pelo pessoal da Multitouch Barcelona, que mostra uma interface literalmente humana. O video pode ser assistido aqui, mas vê-lo na instalação (foto abaixo) é ainda mais legal.

Uma atração concorrida, mas que vale a pena a espera, é o BIOBODYGAME, um conceito muito interessante, criado por Rachel Zuanon e Geraldo Lima, que une um computador vestivel a sensores neurofisiológicos para propiciar uma experiência em que o estado emocional do jogador influi  na jogabilidade. Na minha vez as luzes do colete ficaram amarelas, indicando que eu estava um pouco nervoso (vermelho indicaria muita agitação e verde bastante calma). Nesse estado emocional o carrinho já não respondia tão bem aos meus comandos.

Interessante também a instalação de Guto Nóbrega, "Breathing". Uma criatura robótica, constituída de  uma redoma de vidro contendo uma planta, dando a impressão de ser o cérebro do robô, movimenta os membros  a partir de sinais eletrofisiológicos captados do vegetal.

Há ainda uma exposição de games e muitas outras atrações, incluindo um circuito na própria Avenida Paulista, que infelizmente já se encerrou. Mas ainda restam alguns dias para a exposição indoor. Aproveite!



Emoção Art.Ficial (Bienal de Arte e Tecnologia do Itaú Cultural)
1º de julho a 5 de setembro, 2010
Itaú Cultural - Avenida Paulista 149
=======================================
Em  sua quinta edição, este evento bi-anual, destaca-se não apenas pela qualidade dos trabalhos selecionados pelo curador Marcos Cuzziol, como pela bela ambientação, cuidadosamente integrada à arquitetura do espaço. A visão da Paulista complementa o espetáculo.

Logo na entrada somos envolvidos pela obra Bion, de Adam Brown e Andrew H. Fagg, que se espalha por todo o ambiente, formando uma rede de centenas de seres artificiais que se comunicam e reagem individualmente à nossa presença.  Em seguida somos recepcionados por robôs cheios de personalidade, as "Hysterical Machines", de Bill Vorn. Meio assustadores no início, esses artrópodes cibenéticos transbordam simpatia por trás daqueles gestos ríspidos.



O passeio prossegue com visita a um zoológico de seres cibernéticos, o Robotarium SP de Leonel Moura, formado por pequenos robôs autônomos, que interagem entre si e com os desenhos do piso, gerando comportamentos emergentes.





A curiossidade nos leva a uma sala escura, contendo uma enorme projeção do rosto de Stelarc, o autor da obra denominada Prosthetic Head. Descobre-se então que é possível conversar com aquela cabeça modelada tridimensionalmente, o visitante tecla e a cabeça fala! O segredo está no uso do programa de inteligência artificial ALICE, que responde de maneira surpeendentemente lógica às questões formuladas pelo público. Não passaria no Teste de Turing, mas é bem divertida.



Ë difícil não parar para admirar o trabalho incansável do desenhista robô (Autoportrait, do laboratório  Robotlab), qiue após observar uma pessoa, faz o seu desenho numa lousa branca, exibe-o ao público e na sequência o apaga.


Em seguida entramos na fila para ter nosso corpo "scaneado" e ser incluidos, ou melhor, nossas silhuetas serem incluidas, no corpo de bailarinos virtuais e participar da performance da obra Ballet Digitallique, de Lali Krotoszynski, que ocorre no andar de baixo.


 Emocionante a sensação que temos ao contemplar a obra MetaCampo, do grupo SCIArts. Uma enorme relva sintética, cercada de espelhos se move ao sabor de ventos artificiais, influenciados pelo vento externo e pela movimentação do público.


E tem muito mais, como o imperdível trabalho da Tania Fraga, que desta vez nos traz um caracol capaz de reconhecer emoções humanas (Caracolomobile),  Não perca!